Por sua origem ligada ao próspero período do Ciclo do Café, Madalena herdou um centro histórico com casarios preservados e belas praças que resguardam monumentos em homenagem a ilustres moradores. Um ambiente de encher os olhos e o coração.
Caminhar pelo centro da cidade, observar a beleza arquitetônica, andar sobre calçadas e ruas, parece que estamos fazendo uma viajem no tempo. É de se ficar imaginando quantos enredos e narrativas devem existir em cada pedacinho dos casarios, lambrequins, janelas, portas, jardins, nos conduzindo aos mais gostosos sentimentos que a nostalgia pode trazer.

Não se engane com esse aspecto de cidadezinha que parou no tempo. Aqui só vai ficar parado quem quiser descansar.
Os adeptos de turismo histórico-cultural vão adorar conhecer o centro histórico com praças que preservam os monumentos em homenagem a ilustres moradores. Outra visitação imperdível é a Igreja Matriz (1892), em estilo neogótico francês, típico de catedrais da Europa Medieval.
Em homenagem a ilustre atriz e comediante Dercy Gonçalves, existe um admirável conjunto de atrativos: Mausoléu Dercy Gonçalves, Portal da Fama, Monumento aos 100 anos, busto em bronze e o Museu Dercy, que retrata toda a vida da atriz.

A HISTÓRIA

A história da região que hoje em dia é ocupada pelo município de Santa Maria Madalena começou em 1840, no ano em que o português Manoel Teixeira Portugal passou por estes territórios. Passados alguns anos, chegou para o mesmo lugar o mateiro José Vicente, à procura dos negros fugitivos. 

Conta a lenda, que o mateiro se encantou por uma espingarda suíça trazida pelo padre Francisco Xavier Frouthé (que hoje dá nome a praça da igreja matriz), a quem ofereceu, em troca, as terras que hoje sediam a igreja matriz e seus arredores.

Nestas terras, a partir da edificação de uma capela em homenagem a Santa Maria Madalena, surge a atual cidade de Santa Maria Madalena.

A primeira denominação da cidade de Santa Maria Madalena era de Tabatinga – que significa Arraial do Santíssimo – devido aos pântanos cheios de barro branco, chamado desta maneira pelos viajantes que usavam a estrada Cantagalo-Macaé.

Em 1855 a povoação foi elevada à categoria de freguesia e à de vila em 1861, desmembrada do termo de Cantagalo e tendo anexadas a si as freguesias de São Francisco de Paula e São Sebastião do Alto.

Destacou-se nesta luta pela elevação a município o coronel Braz Fernandes Carneiro Viana (que deu nome a uma de suas praças, a também conhecida praça de Dercy), fato consolidado em 08 de junho de 1862.

 

 A história da cidade seguiu também o Ciclo do Café, sendo um período com economia pujante até o início do século passado, quando foi engolida pela crise cuja solução foi de arrancar os cafezais da região que, até hoje, não se recuperaram.

Em 1907 nasceu na cidade Dolores, que viria a se transformar na grande atriz humorista Dercy Gonçalves, conhecida nacionalmente pelo seu jeito irreverente de fazer comédia. Tendo vivido até 2008 levou o nome da cidade aos 7 cantos do país. 

Hoje, a cidade guarda um rico conjunto urbano-paisagístico, formado pelos edifícios e casarios em estilo colonial, lembrança da época dourada da cidade, cercados pela vegetação da Mata Atlântica. A cidade é reconhecida pelo IPHAN pelo seu conjunto arquitetônico, além de ter sido eleita como Cidade da Geologia do Estado do Rio de Janeiro.

Na cidade em seu Horto Florestal, onde trabalhou o renomado Botânico Joaquim dos Santos Lima, (cujas descobertas compõem o acervo do Jardim Botânico da cidade do Rio de Janeiro) está sediado o Parque Estadual do Desengano, uma das maiores reservas contínuas de mata atlântica do país.

A economia do município hoje em dia está baseada na atividade agropecuária e no turismo, principalmente no seu segmento ecoturístico.

Fonte: Deguste Turismo